sexta-feira, 23 de abril de 2010

A Muralha

Agora pouco estava pensando sobre a muralha que criei ao meu redor.Percebi que ela não foi feita de concreto... E talvez não seja tão difícil assim derrubá-la. Na verdade, sempre acreditei que não seria fácil porque nunca tinha tentando antes.
Eu construí minha muralha de papel. Muitos papéis.
Em um determinado momento da minha vida deixei de prestar atenção nas pessoas e direcionei todos os meus olhares aos livros, e são deles que minha muralha é feita.
Não preciso ter pena em derrubá-la, pois todas as coisas boas que os livros me trouxeram já estão guardadas em minha memória, não há mais necessidade de mantê-los na minha frente, fazendo essa divisão entre mim e o mundo.
Outros livros virão até mim, com certeza, pois não vivo sem eles. Mas dessa vez serão utilizados apenas para me instruir, não para me afastar nem me isolar.
O isolamento, no início, é algo bom, mas ele também tem prazo de validade.
E o meu já venceu faz tempo!

3 comentários:

  1. A verdade de uma muralha, é que ela nos esconde de palavras, de olhares e da realidade, nos fazendo viver sem feridas.
    Mais se ficarmos muito tempo com elas, morreremos sem ter tentado viver.

    A cada muralha derrubada, outra é construída sem sabermos.

    ResponderExcluir
  2. Amiga querida, é sempre bom e gostoso passear pelo teu blog, eu amooo.
    Obrigada pelo selinho, mas não posso pegá-lo,não tenho jeito para essas coisas ..rs..estou sempre correndo.
    Sabe que eu amo Itajaí? Tenho daí ótimas lembranças.
    Um suave bater de asas.

    ResponderExcluir